“Eu sou porque nós somos”

Wesley Teixeira
Jovem Transformador pela Democracia

Wesley Teixeira é um homem negro, com barba e cabelos crespos e castanhos puxados para trás. Ele está sorrindo e vestindo uma camisa de botão azul. Ao fundo, há uma parede rosa e a rua, com um prédio, árvores e um poste de iluminação
Foto: Ricardo Sanches Tomazoli/Ashoka Brasil

Sou Wesley Teixeira, tenho 24 anos, negro e morador do Morro do Sapo em Duque de Caxias, mas nasci em Nova Iguaçu e já morei em São João de Meriti — todos esses, locais na Baixada Fluminense no Estado do Rio de Janeiro. Sou casado com a Danielle da Silva Marinho, filho da Katia Ezoite Teixeira Silva e Jairo dos Santos Silva, irmão do Kesley Teixeira Silva.

Tem uma coisa que gosto de falar sobre a gente que mora na Baixada Fluminense, que nasceu aqui, que somos na maioria descendentes de muitas gerações de negros e negras aqui do Rio, de indígenas, ou somos gente que veio de outros estados, principalmente do Nordeste… Nós somos um povo que construiu boa parte da história do estado e do país. Para nós, a luta não é uma opção — ela é o nosso cotidiano, o nosso DNA, o nosso caminho para a mudança.

Este caminho eu comecei a traçar ainda como estudante secundarista. Minha atuação social começou em 2008, no Grêmio Estudantil do Colégio Estadual Irineu Marinho, depois fui eleito Coordenador Geral da União dos Estudantes de Duque de Caxias (UEDC), no qual lutamos pelo passe livre, pela criação de grêmios nas escolas, contra repressão nas escolas e por eleição para diretores, por mais investimento e melhorias nas escolas. Também participei das conferências de educação que elaboraram os Planos nacional, estaduais e municipais de educação.

Nessa época, criamos o jornal comunitário Voz da Baixada, para dar visibilidade a essa região e passar a nossa visão sobre ela, que nem sempre era retratada pela grande mídia. Foi nesse momento que eu percebi como a minha região precisava daquilo, e a importância que o nosso trabalho poderia ter. Conheci a luta contra o aumento da passagem através de recolhimento de assinaturas feito pelo Movimento Caxias de Cara, que passei a compor e participei das jornadas de junho de 2013, que tiveram um milhão de pessoas nas ruas em manifestações contra o aumento de passagem. Fui um dos mobilizadores da manifestação em Duque de Caxias, que teve 40 mil pessoas.

Depois dessas manifestações, fundei a Juventude em Movimento com os aprendizados delas. Houve uma unificação com outros coletivos e fundou-se, em 2014, o movimento Rua Juventude Anticapitalista. Participei da campanha do amanhecer contra redução da maioridade penal, que mobilizou milhares de pessoas a enfeitar diversas praças pelo Brasil e realizar debates em escolas divulgando nossa posição sobre a redução. Organizamos uma roda de conversa dentro do DEGASE (sistema socioeducativo para adolescentes em conflito com a lei), organizamos um festival na Praça XV, participamos de audiências no Congresso Federal e fizemos caravanas até Brasília. Também participei do levante de ocupações de escolas, ocupando o Colégio Estadual Irineu Marinho — um movimento vitorioso.

Quando saí da escola, não entrei diretamente na universidade, e muitos dos meus amigos também não. Vendo que não éramos os únicos e que precisávamos tentar mudar essa realidade, fundamos o Pré-Vestibular Popular +Nós. Faço parte da coordenação estadual do cursinho, que tem 17 unidades espalhadas em diversas cidades do RJ (Rio, Caxias, Nilópolis, São João de Meriti, Petrópolis e São Gonçalo) e, hoje, também tem aula de teatro, reforço escolar e preparatório para o concurso da defensoria, com todas as aulas gratuitas. Fiquei muito feliz quando, em 2017, consegui passar para pedagogia na UERJ/FEBF, campus de Caxias, com bolsa, onde estou até hoje.

Sou evangélico pentecostal desde a infância. Atualmente sou membro e secretário da Igreja Projeto Além do Nosso Olhar, onde meus pais pastoreiam, e construímos diversas ações sociais, como distribuição de alimentos para famílias necessitadas. A religiosidade sempre foi uma coisa importante na minha família, e foi natural eu seguir por esse caminho de espiritualidade também — mas sempre com muito respeito à diversidade religiosa e aos outros credos e crenças.

Colaboro com a Frente de Evangélicos pelo Estado Democrático de Direitos e com o Coletivo Esperançar. Também milito no Movimento Negro Unificado, que existe há 40 anos, pelo qual fui homenageado com uma medalha pelo CONDINIPIR-DC e uma moção da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Ainda componho a Coalizão Negra por Direitos.

Sou integrante do PerifaConnection, grupo que conecta favelas através da troca de ideia. Começamos escrevendo uma coluna na Carta Capital e agora estamos na Folha de São Paulo, no Podcast Mamilos e no Blog Lurdinha. Trabalhei como articulador do conselho de ativistas do Observatório da Intervenção do CESeC/UCAM e atualmente faço assessoria no mandato da deputada estadual Mônica Francisco, no Rio de Janeiro, e sou Fellow da Ashoka.

Por fim, faço parte do Movimenta Caxias. Fundada em 2017, essa rede reúne todos os movimentos citados anteriormente e pessoas que buscam tornar a cidade de Duque de Caxias um lugar melhor para se viver, ao contrário de uma cidade pro lucro das empresas de ônibus, empresas de lixo urbano, daqueles que vendem terra ilegal.

Fazemos reuniões nos bairros, denunciamos lixo em lugar inapropriado, esgoto a céu aberto, vazamento de água, a retirada de linhas de ônibus, distribuímos jornais, fizemos seminários temáticos e agora, durante a pandemia da covid-19, temos atuado levando informação e entregando cestas de alimentos e kit de higiene para famílias de Duque de Caxias, Baixada Fluminense e Região Metropolitana, além de grupos específicos como Imigrantes, Mulheres Vítimas de Violência e Familiares do Sistema Socioeducativo.

Lideramos um movimento onde Todos Somos Agentes de Transformação. Conectamos pessoas e organizações que mudam pra melhor os sistemas que governam nossas vidas.

Lideramos um movimento onde Todos Somos Agentes de Transformação. Conectamos pessoas e organizações que mudam pra melhor os sistemas que governam nossas vidas.